O atendimento de qualidade contra o câncer inclui dignidade, respeito, apoio e amor, considerando não apenas o impacto físico do câncer, mas respeitando o bem-estar emocional, sexual e social de cada indivíduo e de seu cuidador.

Preservar a dignidade

Muitos pacientes com câncer e suas famílias descrevem um sentimento de perda de controle de suas vidas após um diagnóstico de câncer. Os pacientes e as famílias devem ter o poder de participar ativamente da decisão sobre seu atendimento e plano de tratamento, que devem respeitar suas necessidades e preferências individuais. Isso pode ajudar muito as pessoas a recuperarem o senso de controle e preservar sua dignidade ao longo da jornada contra o câncer.

Imagem corporal e bem-estar sexual

As possíveis alterações físicas durante e após o tratamento, como remoção de uma parte do corpo, perda de cabelo, comprometimento da fala ou incontinência urinária, podem afetar a aparência dos pacientes e como se sentem em relação a si mesmos. Questões de imagem corporal e sexualidade podem ter um impacto significativo nos relacionamentos entre pacientes com câncer e sobreviventes que enfrentam problemas de autoestima e da intimidade sexual, e seus respectivos parceiros.

Apoio e amor

Estudos descobriram que os grupos de apoio ao câncer podem aumentar a autoestima, reduzir a depressão, diminuir a ansiedade e melhorar o relacionamento com familiares e amigos. Para uma pessoa que vive com câncer, o forte apoio emocional e relacionamentos amorosos com os parceiros, os amigos e as famílias podem fazer uma grande diferença.

 

Atendimento centrado nas pessoas e que preserva a dignidade:
essa abordagem significa caminhar para capacitar os indivíduos com câncer a tomar parte nas decisões e ter todas as suas necessidades de atendimento tratadas de maneira holística: física, emocional, espiritual e social1,2.

 

Cuidadores

Os cuidadores – mais comumente companheiros, familiares ou amigos – recebem pouca preparação, informação ou apoio para realizar sua tarefa vital. Muitas vezes, os cuidadores também colocam suas próprias necessidades e sentimentos de lado para se concentrar na pessoa com câncer, o que pode levar ao isolamento social e à depressão em alguns casos.

O poder dos colegas de trabalho

Muitas pessoas que vivem com câncer querem voltar ao trabalho. Algumas vezes, os colegas de trabalho formam uma outra rede vital de apoio. Falar com os colegas sobre o câncer, assim como manter contato durante as ausências do trabalho, pode ter um impacto positivo sobre a recuperação3.

O que podemos fazer?

  • Como indivíduos: aprender mais sobre os serviços contra o câncer em seu país ou região, ajudar a compartilhar informações precisas sobre o câncer para desfazer mitos e equívocos, e assim apoiar as pessoas ao seu redor
  • Como cuidadores: aproveitar os serviços de suporte em seu país ou região ou on-line para apoiar a si mesmo e seu familiar/amigo com câncer. Esses serviços talvez possam direcioná-lo para mais recursos disponíveis
  • Como empregadores/colegas: explorar como você pode apoiar colegas ou funcionários com câncer (ou cuidadores) através de medidas como horário de trabalho flexível ou criação de um ambiente aberto para conversar (ou não conversar) sobre o câncer.
1. WHO (2014). Strengthening of palliative care as a component of integrated treatment throughout the life course. A67/31 4 April 2014. 
2. Managing body image difficulties of adult cancer patients: Lessons from available research. Cancer. 120:633–41. 3. Macmillan Cancer Support. Work and Cancer.